Sugestões: «O (Re)verso da Paisagem – filosofias da pobreza e da riqueza» e «Para uma Ética do Território»

19.02.2014

«O (Re)verso da Paisagem – filosofias da pobreza e da riqueza» e «Para uma Ética do Território» são duas obras do Centro de Investigação em Arquitectura, Urbanismo e Design (CIAUD) da Faculdade de Arquitectura de Lisboa que resultam do projecto de investigação «Arquitecturas do Mar», financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia. As obras, que têm por base seminários internacionais de projectos de investigação, foram apresentadas no início do mês de Fevereiro na Faculdade de Arquitectura de Lisboa.

 

«Em toda a Paisagem podemos sempre encontrar um verso e um reverso. Por verso entenderemos aquilo que se vê, enquanto que por reverso, aquilo que se não vê – em qualquer caso, de um determinado ponto de vista. Poder-se-á considerar que existe uma relação dialéctica entre verso e reverso como entre ricos e pobres? Talvez, mas o que é certo, e eventualmente importante, é que as duas faces da Paisagem só são distinguíveis e compreensíveis quando se apresentam em oposição», escreve o coordenador do projecto «Arquitecturas do mar, professor José Duarte Gorjão Jorge, sobre «O (Re)verso da Paisagem».

 

Não existe, continua José Duarte Gorjão Henriques, paisagem absolutamente natural já que «a presença do Homem, imprescindível ao reconhecimento da sua existência, vem perturbar-lhe a solidão. Estranhamente, toda a potência comunicativa da paisagem assenta aí mesmo».

 

Nos últimos cinco séculos ensinaram-nos a olhar para a Paisagem de modos específicos, familiarizando-nos com aquilo a que agora estamos a chamar o seu verso. «Conseguiremos, agora, numa tentativa de elementar pedagogia, apreciar o seu actual reverso: onde, de um modo mais ou menos surdo, actua tudo aquilo que não deve ser visto, como os caboucos rudes de um palácio? Até porque, pelo verso e o reverso, a Paisagem é algo que merece a todos os títulos ser revisto como construção e como conceito».

 

Já no que diz respeito à obra  “Para uma Ética do Território” José Duarte Gorjão Jorge realça que as conclusões do livro apontam para a necessidade urgente de se «implementar a legislação e os instrumentos de gestão integrada permitindo reabilitar, conservar e desenvolver sustentadamente a totalidade do território definido pelas regiões ribeirinhas do país».

 

Redacção Jornal Arquitecturas

TAGS: «O (Re)verso da Paisagem – filosofias da pobreza e da riqueza» e «Para uma Ética do Território» , livros do Centro de Investigação em Arquitectura , Urbanismo e Design (CIAUD) da Faculdade de Arquitectura de Lisboa , projecto de investigação «Arquitecturas do Mar» , financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia
VOLTAR